O distúrbio do pânico, ou síndrome do pânico, é um transtorno de ansiedade que se caracteriza por episódios de surto súbitos e sem causa aparente. Durante o ataque a pessoa pode apresentar os seguintes sintomas: sensação de que irá morrer ou perder o controle, sensação de desligamento ou alheamento, dores no peito que podem ser confundidas com infarto, palpitações, taquicardia, falta de ar, asfixia, sudorese excessiva, náuseas, desconforto abdominal, tonturas, formigamentos e tremores.

A frequência dos episódios pode variar, podendo acontecer várias vezes no mês, ou até mesmo ocorrer em intervalos superiores há um ano. As causas do distúrbio podem ser de ordem fisiológica, quando há alteração na produção de noradrenalina, responsável pelo instinto de “alerta” do organismo e que permite que uma pessoa reaja a uma ameaça; ou de causas psicológicas, como o estresse da vida cotidiana, o uso de drogas, alguma perda afetiva importante e etc.

O tratamento pode ser feito através do uso de medicamentos e de psicoterapia, mas é necessário investigar as causas dos problemas emocionais que estão relacionados aos episódios de distúrbio do pânico e trata-los para impedir que venham a se repetir futuramente.